MULHER EM CAMPO – A MARIA QUE NÃO É CHUTEIRA

POR:
** MARINA GALEANO

Mulher de jogador de futebol tem fama de Maria Chuteira. As pessoas julgam antes mesmo de conhecer. “Tá com fulano? Ihhhh, é Maria Chuteira”. Assim mesmo, preconceito na cara dura. Vamos ser justos! De fato, tem muita mulher por aí que se amarra em um boleiro e, principalmente, no saldo bancário do cidadão – mas toda a generalização é burra! E, nesse caso, preconceituosa.

 

Se vida de jogador não é fácil, a vida da mulher dele é menos ainda. Com base em experiências próximas, elaborei uma lista sobre os perrengues que essas mulheres passam em seu dia a dia:

1) Têm de conviver com o assédio muitas vezes desrespeitoso das Maria Chuteiras de verdade;

2) Não sabem o que é marido aos finais de semana;

3) Por causa da concentração e das viagens, passam um bom tempo sozinhas;

4) Têm de se acostumar à vida cigana e arrumar as malas a cada troca de time do parceiro;

5) Muitas vezes não podem contar com a ajuda do pai para cuidarem de seus filhos;

6) Abrem mão de ambições profissionais para seguir a carreira do marido;

7) Aguentam o mau-humor deles depois de uma derrota;

8) Têm que entender que, se o time perdeu, a torcida está P da vida e o jantar no restaurante obrigatoriamente será cancelado;

9) Quando vão ao estádio, ouvem os mais desagradáveis “elogios” ao marido e não podem fazer nada;

10) Ficam esperando horas na porta do vestiário (ou no estacionamento) se ele “caiu no dopping”. Esse é o xixi mais demorado da vida!

11) Precisam entender que cerveja é quase como água!

12) Têm de se acostumar aos comentários maldosos e aos olhares atravessados, cheios de julgamento, das pessoas que vêem qualquer mulher de jogador como Maria Chuteira;

13) Têm de conviver com culturas totalmente diferentes da sua quando vão parar no Japão, Ucrânia, Rússia, Chipre, Catar, Turquia dentre outros destinos mais inóspitos.

14) São reconhecidas como a “mulher do fulano” e não como elas mesmas.

Certamente estou me esquecendo de algum item, mas com essa breve lista, já é possível imaginar o que significa ser mulher de jogador. É preciso abrir mão de muita coisa para conciliar a vida em família com a vida de um atleta. Tem que realmente valer a pena. E não me venha com essa história de Maria Chuteira!

Anúncios
Esse post foi publicado em DIÁRIO e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s